Cabelos

Meus cabelos são muito importantes para mim, pois eles acompanham todas as mudanças que ocorrem na minha vida. Acredito que o mesmo acontece com os cabelos de vocês, leitores e leitoras.

Um dos meus primeiros cabelos marcantes foi o famoso estilo Chitãozinho e Xororó; que atire a primeira pedra as pessoas na casa dos 30 anos que nunca tiveram esse cabelo. Eu era pequena, mas me lembro que tinha muito orgulho do meu topete. Depois veio a época do cabelo repicado, o meu era praticamente uma juba de leão, pois esse era o sentido do cabelo, quanto mais repicado, mais na moda se estava.

Os anos se passaram e com eles chegaram as luzes!! Lembram da moda das duas mechas loiras na franja?!! As minhas foram praticamente medidas a régua para ficarem perfeitas. Depois a mecha “cresceu” e eu fiquei quase loira; e de loira quase verde, de tanta coisa que fiz no pobre cabelão. Daí cansei de tudo e virei ruiva chanel, tive quase todos os tons de ruivo possíveis e imagináveis, só pra ver no que dava. Sem contar as crises existenciais, os términos de namoro, emprego novo, nova estação: tudo era, e ainda é, motivo para passar a tesoura no cabelo.

CabelosDepois de 12 anos com o mesmo cabeleireiro, resolvi mudar, porque achava que esse já não acompanhava mais minha mente, minhas mudanças. Encontrei um que me entende e que, pasmem, não é gay! Com ele, novos cortes, novos estilos, novas confidências. Fiquei uma época afastada dos salões, deixei o cabelão crescer muito, parei de pintar, depois de um tempo voltei ao salão, cortei novamente, pintei e cortei – enfim, aquela coisa de mulher.

Eis que chegou o momento de voltar a ser natural, até porque já nem lembrava mais o que eu era, então voltei a ser castanha. No dia em que completei 26 anos (isso já faz um tempão) descobri meus primeiros cabelos brancos (eram três fios, me lembro muito bem). Chorei de emoção, de surpresa, de tristeza – foi uma mistura de sentimentos, muito estranho. Hoje, aos trinta e poucos, tenho bem mais de três fios de cabelos brancos, que estão ali crescendo, envelhecendo comigo. Tenho orgulho deles, da forma como me vejo fico feliz em estar envelhecendo aos poucos, e vendo meu cabelo ali mais um vez me acompanhando. Depois de tantas modas e momentos que passaram pela minha cabeça, agora é a hora de ficar coroa, ou melhor, de começar a ficar coroa. A decisão esta tomada, não irei pintá-los, já fiz reuniões com meu cabeleireiro a respeito. Se algum dia virem por aí uma coroa de cabelos grisalhos, cheia de estilo, podem contar que sou eu.

 

Imagem: Nico Sonspack/Stock.xchng

6 Responses

  • Que mundo machista que a gente vive e reforça com as constantes tinturas nos fios brancos. Penso que nós, mulheres, temos que ter mais
    coragem de exibir os charmosos cabelos brancos.
    Só que eu ainda não tenho tal iniciativa, se é
    este o vocábulo ideal para o momento.

  • Olha aí, recebi hoje, lançamento:
    “O livro ‘A História do Penteado’ conta a importância dos cabelos, desde a Idade Antiga – a obra relata a evolução da forma de se usar os cabelos e sua relação com a identidade pessoal e a indústria cosmética e médica.”
    “A história do Penteado”, de Silvia Marques (Matrix Editora, 128 páginas, R$ 21,90)

  • Nasci loira, cacheada, linda, macia. Perguntavam para minha mãe se ela usava bobs no meu cabelo. Eu tinha quatro! Depois fiquei ruiva e os cachos foram apertando. Queria ter parado nos 7 anos. Então a coisa enroscou de vez e ficou tudo castanho e bem torcido. Mais que crespo, menos que carapinha. Meu cabelo já não crescia mais, expandia. Tentei de tudo. Alisar, clarear, passar a ferro. O pai só perguntava: o que tu fez no teu cabelo dessa vez? Nada! Em 1991 eu radicalizei e passei a máquina. Na semana seguinte o Geroge Michael apareceu no Rock’n’Rio com o cabelo rapado pela primeira vez. Minha “peruca” foi roubada – hahaha tu tá copiando o Jorge Miguel! Voltei ao time do cabelo ruim. Desisti de traquitanas, mas continuo rapando toda semana. Mulheres, sintam-se com o poder. Queria eu jogar meu cabelo pro lado.

  • se eu mudo de opinião muda junto o cabelo.. ja fiz mechas californianas e dpois mais e dpois d 3 meses cortei, progressiva, deixei crescer .. cortei .. enfim… mas pintar ñ tenho coragem… meu cabelo é ruivo natural e minha mãe diz q é dificil o cabelo voltar a cor natural qndo s epinta mto. Inclusive, faz bem em ñ pintar… a sra minha mãe tem 60 anos e parou d epintar .. cabelo grisalho d td.. e ta mto melhor do q qndo pintava! por incrivel q pareça.. ta parecendo mais nova

  • Adorei esse blog! Vi um comentário feito, pasmem, no “manual do cafajeste”, e achei tão autêntico e sensato que resolvi conferir. Não me arrependi, fiquei feliz d encontrar um espaço d mulheres de personalidade, com seus problemas e pensamentos próprios…

    É bom ver o outro lado! Homens são demasiadamente lineares, e se ajustar a ótica deles, embora útil, é tão cansativo quanto ler um texto com letras tamanho 6.

  • Jess… obrigada!

Sua opinião é de quinta...