Dar ou não dar?

Dar-ou-nao-darNa verdade, não sou a pessoa mais adequada para abordar este tema, pois nunca lutei comigo mesma para não transar de primeira. Sempre foi algo natural, e sim: nessa naturalidade das coisas, quase sempre acabei dando de primeira mesmo. Muitas mulheres, talvez até a maioria (vocês é que vão dizer), funcionam de outra forma e acham o que estou escrevendo um absurdo. Mas não vejo porque fazer o joguinho de faz de conta dos primeiros encontros (“Ai, não posso, não vai dar”), se a vontade é mesmo a de transar. Esse se-fazol é pura insegurança, pois estas mulheres acham que os caras não vão mais procurá-las se elas se entregarem na primeira vez.

Gente, se é para ser e o sexo for bom, rolar química entre os dois, o cara só não vai procurar depois se for muito machista. É, porque tem cara que pensa que se a mulher faz sexo na primeira noite não é “mulher para casar”. Fica imaginando com quantos ela já transou, e aí só vai usá-la para “lanchinho”. A esses carinhas, eu só posso dar uma dica: uma mulher que só transa depois do clássico quinto encontro pode ter dado para tantos ou mais caras do que uma mulher que trepa de início. Se a garota vive em função de arranjar um namorado, por exemplo, e não consegue facilmente, isto é bem possível. Assim como é bem provável que uma mulher “de primeira”, despreocupada com o assunto, conte nos dedos os carinhas com quem já fez sexo. Mas cá entre nós, não merecemos esses caras que herdaram do pai ou do avô a teoria de que existe “mulher para casar” e “mulher para transar”, né?

Só fazendo um adendo, também não podemos generalizar: óbvio que existem aquelas mulheres que não fazem sexo à primeira vista e não estão simplesmente cumprindo o joguinho. Para elas, tão natural como para mim é transar logo, é esperar um momento que julga mais adequado: é bom dar um tempinho para conhecer melhor o fulano e ver como ele se comporta em situações diversas antes do grand finale. E tem também o lado da vontade, que pode prorrogar o ato principal um pouco em prol de uma causa maior: o prazer da expectativa. Na outra ponta, posso afirmar que se engana quem pensa que este prazer é nulo entre as mulheres com o meu perfil. Pelo contrário: a expectativa sempre está presente. Afinal, somente depois é que vamos conhecer melhor o parceiro e seus segredos, além de descobrir como ele se porta em ocasiões diferentes.

PS.: Apesar de esta não ser uma questão que abale meus dias, resolvi registrar minha percepção “de quinta” depois de ler sobre o tema no Manual do Cafajeste. Recomendo, vale a pena conferir como eles encaram o assunto.

 

Foto: Philippe Ramakers/Stock.xchng

14 Responses

  • Aceito a opinião e vontade de todas e todos, mas detesto sair com um cara apressadinho, que quer ir direto ao assunto. Vou logo pensando que o sujeito se comporta assim com todas e eu, como me acho, quero mais é ser tratada de forma exclusiva.

  • NOSSA. Belo comentário postado pela anônima ! Esta se dá valor. Não que as que transem no primeiro encontro devam ser descartadas para o casamento, mas, com certeza, o casamento com “elas” ficam em segundo, terceiro e até quarto plano – fácil demais, não tem graça. Na verdade amigas, mulheres com este perfil, acabam sempre enroladas para algum compromisso sério (na verdade é o q muitas querem). Quando tiverem na faixa dos 40 TÃO entenderão que tudo que é fácil demais talvez não é valorizado, até mesmo não respeitado. O artigo escrito não é nenhum absurdo, entretanto o liguajar chulo e vulgar não pegou bem para um blog tão legal como este. Pela revolta dass palavras acredito que a “mulher de última” levou um fora! Calma amiga, dias melhores virão! Valorize-se mais. BeiJOCA.

  • DAR OU EMPRESTAR – DE PRIMEIRA !!! AS DENOMINADAS MULHERES “MOTOSERRAS”… DERRUBAM DE PRIMEIRA QUALQUER “MADEIRA” QUE ENCONTRAM PELA FRENTE. AINDA BEM QUE ELAS EXISTEM E FAZEM A ALEGRIA DA GURIZADA SEM CUSTO ALGUM, E OLHA, NÃO SÃO POUCAS HJ EM DIA !!!! SÃO MERECEDORAS DE UM GRANDE TROFÉU !!!

  • (Caramba. Eu devo ser muito “moderna”, porque não localizei o tal linguajar chulo e vulgar)

    Bom. Eu acho que me enquadro no caso das que são “de primeira” e ainda contam nos dedos. A questão é que é muito difícil eu beijar um cara que não conheço, com quem não transaria. Assim, se chega a rolar beijo, a coisa só vai. “Se eu quero e você quer…”, já dizia Raul Seixas.

    Nesse sentido, não gosto de jogos. Se um dos dois não tá a fim, paciência (mas se não tá a fim de transar, pra que ficar junto?). É tão feio quando o sexo vira moeda de troca – gosto mais dele como concretização do desejo. Se fazer de difícil é um jogo de poder que só serve para manter o sexo como tabu e a mulher “no seu lugar”.

    Quanto a casar ou não casar… bom, conheço vários exemplos (o meu próprio) de casamentos que surgiram depois de uma “de primeira”. Casamentos de primeira, por sinal!

    Concordo com a autora: não quero caras bobos e preconceituosos do meu lado (tipo esse louco da motosserra!). Tô nem aí para o que eles pensam.

  • já dei de primeira, ñ me arrependo, mas ñ sei se faria de novo. Pq qndo rolou eu qria q o cara nunca mais aparecesse na minha frente, pois p/ mim ele só ia qrer isso cmg p/ sempre.
    No contraponto tem um cara q conheço a anos e por mais q tenha MUUUITO tesão entre a gente nunca transei pq sei q se acontecer ai q vou apaixonar mais ainda.
    Acho q td depende do estadod e espirito da mulher, se ela ta praparaa temq ir se ñ.. deixa p/proxima, e q ela esteja bem resolvida consigo pq o q os outros pensam é problema deles

  • A personalidade humana é, sempre foi e sempre será revelada desde os primeiros contatos, seja físico ou virtual, fazendo jus ao ditado, A PRIMEIRA IMPRESSÃO É Q QUE FICA. CONCORDO PLENAMENTE COM A AUTORA, desde que ela assuma ser uma mulher fácil demais, né !

  • Fácil? O que é “ser fácil”? Acho esse conceito um pouco confuso.
    Ser fácil é fazer o que se tem vontade? Viva a facilidade! Seremos todos menos frustrados, mais realizados!

  • Ainda estou procurando o linguajar chulo e vulgar… Are you on drugs or what?

  • ÉÉÉÉÉÉ. imagino a autora, com quase 35,… sei lá qdo iniciou a vida sexual… mas se morasse em uma pequena cidade, sem sombra de dúvidas, já teria traçado a metade dos homens da cidade. Imaginem agora, ela na faixados dos 40. Alguém vai querer encarar um casamento com ela (carne bem batidinha, rsrsrsrs, é, tem quem gosta) !!!

  • Gente, esse cara não muda de assunto.

  • Nossa, até que enfim alguém se manifestou a esse blog machista. Mas também o q se pode esperar de um garotinho de 24 anos que acha que sabe tudo da vida e fica cagando regra para essas menininhas inseguras. Se você precisa de um manual que lhe diga como agir em relação as suas vontades e o seu corpo realmente nao está preparada pra dar, nem pra atravessar a rua sozinha.
    E esse papo de ser fácil, dificil, dar de primeira, de segunda, de décima, que papo chato e ultrapassado meu deus… Porque cada um nao procura o próprio prazer e deixa a vida dos outros para eles cuidarem. Homem que qualifica uma mulher de fácil pelo fato de fazer sexo na primeira noite realmente vive em 1940 e desses é melhor nao receber telefonema nem no dia seguinte nem no dia de são nunca, porque provavelmente se vc pedir pra ele te comer por traz tem vai te achar uma puta, afinal uma mulher pra casar nao goza e só transa papai e mamae.

  • Ja dei de primeira,de segunda de terceira tudo depende do momento,da vontade e se a depilação ta em dia 😉

  • Apenas uma vez “dei” de primeira… E foi tri! Tudo era novidade: o gatinho, o apartamento dele, o chuveiro… Aliás, que luta para esquentar sozinha aquele banho. Mas foi bom! Muita adrenalina!

    E, antes de dormir, a minha preocupação foi: Meu Deus, como estará meu cabelo amanhã?! Com que cara eu vou acordar?! Ahahah! Nunca tinha dormido com um homem. Enfim, tudo foi especial!

    Mas, voltando ao tema em questão, admito que aquela foi a primeira e única vez. Não por preconceito, mas por falta de intimidade. Além disso, acho muito legal curtir cada detalhe da pessoa, devagarinho. Sem pressa! É uma novidade a cada novo encontro… Um gostinho de quero mais… Bem bom! Mas não é regra.

    Mulheres: sejam felizes do jeito que acharem melhor! Bjos!

  • Dar ou não dar, eis a questão. Ah por favor amigas, não vamos deixar que um recalcado, mal resolvido e estilo caverna nos deixe abalar pelos seus comentários inúteis. Quer dizer, nem tão inúteis assim, pois com isso a gente tem certeza que este, independente de dar de 1º ou 2º não é para casar. Porque no mundo moderno em que vivemos, é descabível esse tipo de pensamento. O relacionamento só diz respeito a quem está nele, então se ambos estão a fim, o local é próprio, não vai ferir ninguém e o tesão está a mil, fála sério, é óbvio que é pra dar, se fazer pra quê? Porque não desfrutar desse momento de prazer? Pensar se ele vai ou não ligar no outro dia? Já diz, amanhã é mesmo outro dia. Com certeza ñ vai ser por dar ou não dar na 1º que vai nos classificar se somos ou não para casar, porque o que eles não sabem é que, a gente casa com quem e quando a gente quiser. O resto é somente divertimento, então bora ser feliz. Meu amigo do comentário falido: beju me liga.

Sua opinião é de quinta...